Terça-feira, 21 de maio de 2024
- Anúncio -
começandoOláQuando o estrogênio é testado, sua falta apresenta sintomas

Quando o estrogênio é testado, sua falta apresenta sintomas

Estrogênio refere-se a grupo de hormônios, que desempenham um papel crucial no desenvolvimento e funcionamento do sistema reprodutor feminino. O principal hormônio estrogênio no corpo é chamado estradiol, embora existam outras formas de estrogênio, como estrona e estriol.

O estrogênio é produzido principalmente nos ovários, embora pequenas quantidades também sejam produzidas pelas glândulas supra-renais e em quantidades menores pela placenta durante a gravidez. Nos homens, o estrogênio é produzido em quantidades menores pelos testículos.

Tipos de estrogênio e seu papel no corpo

O grupo de hormônios estrogênicos inclui vários tipos diferentes de compostos estrogênicos. O principal hormônio estrogênio no corpo é o estradiol, mas também existem outras formas. Os principais estrogênios são:

Estradiol (E2): Esta é a forma mais potente e predominante de estrogênio em mulheres na pré-menopausa. É produzido principalmente nos ovários e é responsável pelo desenvolvimento e manutenção das características sexuais secundárias femininas e pela regulação do ciclo menstrual.

Estrona (E1): A estrona é uma forma mais fraca de estrogênio em comparação com o estradiol. É produzido em uma variedade de tecidos, incluindo os ovários, tecido adiposo e glândulas supra-renais. Depois a menopausa a estrona passa a ser o principal estrogênio produzido pelo corpo.

Estriol (E3): O estriol é a forma mais fraca de estrogênio e é produzido em quantidades significativas quantidades durante a gravidez. É produzido principalmente pela placenta e ajuda a manter a gravidez e a preparar o corpo para o parto.

Esses três estrogênios, estradiol, estrona e estriol, constituem o principal grupo de hormônios estrogênicos no corpo humano. O equilíbrio entre esses estrogênios é importante para as funções fisiológicas normais.

Além disso, existem estrogênios sintéticos usados na terapia hormonal. Estes são, por exemplo, etinilestradiol, que é comumente usado em contraceptivos orais. No entanto, é importante observar que os estrogênios sintéticos podem ter propriedades e efeitos diferentes em comparação com os estrogênios naturais. Seu uso deve ser cuidadosamente monitorado por profissionais médicos.

Qual é o papel do estrogênio no corpo?

O hormônio afeta o desenvolvimento de características sexuais secundárias. Com sua ajuda, os seios das mulheres crescem, os quadris se expandem. Também afeta a distribuição da gordura corporal em um padrão tipicamente feminino.

Outro processo importante envolvido é a regulação do ciclo menstrual. O estrogênio ajuda a estimular o crescimento e o desenvolvimento do revestimento do útero (endométrio) durante o ciclo menstrual. Também desempenha um papel na regulação do ciclo menstrual, interagindo com outros hormônios, como o hormônio folículo-estimulante (FSH) e o hormônio luteinizante (LH), que estão envolvidos na ovulação.

Manutenção do sistema reprodutivo e dos ossos

O estrogênio ajuda a manter a saúde e a função dos órgãos reprodutivos femininos, incluindo o útero, as trompas de falópio e a vagina. Também promove a produção de muco cervical, o que facilita o movimento do esperma através do trato reprodutivo.

Saúde óssea: o estrogênio ajuda a manter a densidade óssea adequada, inibindo a reabsorção óssea. Desempenha um papel crucial na prevenção perda óssea e osteoporose, especialmente durante a menopausa, quando os níveis de estrogênio caem.

Saúde cardiovascular e o cérebro

O estrogênio tem um efeito protetor no sistema cardiovascular, promovendo a função saudável dos vasos sanguíneos e mantendo níveis ideais de colesterol. Também pode ajudar a melhorar o fluxo sanguíneo e reduzir o risco de doença cardíaca em mulheres na pré-menopausa.

Função cerebral: o estrogênio afeta vários aspectos da função cerebral, incluindo humor, cognição e memória. Acredita-se que tenha um efeito neuroprotetor e possa ajudar a reduzir o risco de declínio cognitivo relacionado à idade e doenças neurodegenerativas.

Saúde da pele: O estrogênio contribui para a manutenção da elasticidade, umidade e densidade da pele. Desempenha um papel na reparação e regeneração das células da pele.

O estrogênio também está presente no corpo dos homens, embora em pequenas quantidades

É importante notar que o estrogênio também está presente, embora em menor quantidade, nos homens. Nos homens, o estrogênio ajuda a regular a densidade óssea, o metabolismo do colesterol e a função reprodutiva.

No geral, o estrogênio desempenha um papel crítico em vários processos fisiológicos ao longo da vida de uma pessoa, e seu equilíbrio é essencial para uma saúde ideal.

Quando é feito um teste de estrogênio?

Os níveis ideais de estrogênio em mulheres ativas na pré-menopausa podem variar. É importante entender que os níveis hormonais individuais podem variar dentro dos limites normais. Os níveis de estrogênio geralmente são medidos em picogramas por mililitro (pg/mL) ou picomoles por litro (pmol/L) em exames de sangue. A seguir estão as diretrizes gerais para os níveis de estrogênio em mulheres na pré-menopausa:

Estradiol (E2): A faixa ideal de estradiol pode variar de acordo com a fase menstrual, pois os níveis flutuam ao longo do ciclo menstrual. No entanto, em geral, a faixa fica entre 30 e 400 pg/mL (110-1470 pmol/L) durante a fase folicular (antes da ovulação) e pode aumentar para 100-600 pg/mL (370-2200 pmol/L) durante a fase lútea (após a ovulação).

A proporção de estrogênio para progesterona também deve ser monitorada. Além dos níveis absolutos de estrogênio, o equilíbrio entre estrogênio e progesterona é importante para uma ótima saúde hormonal. A proporção de estrogênio para progesterona deve ser idealmente equilibrada, com níveis de progesterona aproximadamente 100 a 300 vezes menores que os níveis de estrogênio.

É importante observar que os níveis hormonais ideais podem variar de indivíduo para indivíduo. Pode haver pequenas variações devido a fatores como idade, saúde geral e perfis hormonais individuais. Além disso, os limites de referência laboratoriais também podem ser diferentes. Você deve sempre consultar um profissional médico para interpretar os resultados específicos e levá-los em consideração com o estado geral de saúde.

Como a menopausa afeta os níveis de estrogênio?

A menopausa é um processo biológico natural que ocorre em mulheres geralmente entre 45 e 55 anos, embora o tempo exato possa variar. Durante a menopausa, os ovários diminuem gradualmente a produção de estrogênio. Naturalmente, isso leva a uma queda em seus níveis. Eventualmente, os ciclos menstruais param e considera-se que uma mulher atingiu a menopausa quando ela passou 12 meses consecutivos sem menstruar.

As alterações hormonais durante a menopausa fazem com que os níveis de estrogênio caiam significativamente. Embora os níveis de estrogênio possam variar muito entre os indivíduos, a seguir estão as diretrizes gerais para os níveis de estrogênio durante e após a menopausa:

Estradiol (E2): Durante a menopausa, os níveis de estradiol podem variar de aproximadamente 10 a 40 pg/mL (37-147 pmol/L). Depois disso, os níveis podem cair ainda mais para menos de 10 pg/mL (37 pmol/L).

É importante observar que esses são intervalos aproximados e os níveis hormonais podem variar de pessoa para pessoa. Além disso, os níveis hormonais podem flutuar durante a perimenopausa, o período de transição que antecede a menopausa, que pode durar vários anos e é caracterizado por flutuações hormonais e ciclos menstruais irregulares.

pesquisas de laboratório

Determinar o que é considerado "normal" para os níveis de estrogênio durante e após a menopausa é complicado porque os níveis ideais podem variar dependendo dos sintomas de um indivíduo, saúde geral e fatores de risco pessoais. Algumas mulheres podem apresentar sintomas de deficiência de estrogênio, como ondas de calor, secura vaginal ou alterações de humor, o que pode levar à consideração de terapia hormonal ou outras intervenções.

Recomenda-se que as mulheres consultem um profissional de saúde especializado em menopausa ou saúde hormonal para avaliar sua condição individual, sintomas e saúde geral. O teste hormonal e uma avaliação abrangente podem ajudar a determinar o curso de ação apropriado e possíveis intervenções para tratar de quaisquer sintomas ou preocupações relacionadas aos níveis de estrogênio durante e após a menopausa.

É seguro aumentar os níveis de estrogênio na menopausa por meio de pílulas hormonais ou remédios à base de ervas?

A decisão de aumentar os níveis de estrogênio durante a menopausa por meio de pílulas hormonais ou remédios fitoterápicos deve ser tomada em consulta com um profissional de saúde especializado em menopausa ou saúde hormonal. Eles podem avaliar suas circunstâncias individuais, avaliar riscos e benefícios e fornecer orientação personalizada. Aqui estão algumas considerações a ter em mente.

Pílulas ou adesivos hormonais conhecidos como terapia de reposição hormonal (TRH)

Eles podem ser prescritos para aliviar os sintomas da menopausa, complementando os níveis de estrogênio. A TRH pode efetivamente aliviar sintomas como ondas de calor, suores noturnos, secura vaginal e alterações de humor. No entanto, existem riscos potenciais associados à TRH, incluindo um risco aumentado de coágulos sanguíneos, derrame, doenças cardíacas e câncer de mama.

Esses riscos podem variar dependendo de fatores como idade, saúde geral e duração do uso de hormônios. É importante discutir os potenciais riscos e benefícios com o seu profissional de saúde.

Terapia Hormonal Bioidêntica (BHT)

Esta é outra abordagem. Os hormônios bioidênticos são sintetizados para terem a mesma estrutura molecular dos hormônios produzidos naturalmente pelo organismo. Algumas mulheres escolhem a terapia hormonal bioidêntica (BHT) como alternativa à TRH tradicional. O BHT inclui prescrições hormonais personalizadas com base em testes hormonais e sintomas individuais.

Embora algumas mulheres possam encontrar alívio com o BHT, é importante observar que a segurança e a eficácia dos hormônios bioidênticos ainda estão em debate e mais pesquisas são necessárias para entender completamente seus benefícios e riscos.

Ervas e preparações à base de plantas para aumentar o estrogênio

Algumas mulheres recorrem a remédios fitoterápicos ou suplementos nutricionais para controlar os sintomas da menopausa. Exemplos incluem cohosh preto, isoflavonas de soja e trevo vermelho. Embora esses remédios naturais possam proporcionar alívio para algumas mulheres, as evidências sobre sua eficácia são confusas e podem não funcionar para todos. É importante discutir o uso de fitoterápicos com seu profissional de saúde, pois eles podem interagir com outros medicamentos e podem ter seu próprio conjunto de riscos e efeitos colaterais.

Em última análise, a decisão de aumentar os níveis de estrogênio durante a menopausa deve ser baseada em uma avaliação cuidadosa dos sintomas individuais, saúde geral e fatores de risco. É uma boa ideia ter qualquer coisa que você tome como medicamentos adicionais ou suplementos sob a supervisão de um profissional médico. Ele pode fornecer orientação adequada, monitorar os níveis hormonais e ajudar a gerenciar quaisquer riscos potenciais associados à terapia hormonal ou medicamentos fitoterápicos.

Editora Ina Dimitrova

Imagem por gpointstudio no Freepik

Postagens relacionadas
- Anúncio -

POPULAR

NOVO

- Anúncio -
pt_PTPT