Quinta-feira, 18 de julho de 2024
- Anúncio -
começandoOláDominando extrassístoles - drogas e tratamento de acordo com as causas

Controle das extrassístoles - medicamentos e tratamento de acordo com as causas

As extra-sístoles são um distúrbio do ritmo comum, que em muitos casos é inofensivo. No entanto, é bom consultar um cardiologista que avaliará as causas e se há necessidade de tratamento. Os pacientes geralmente descrevem os sintomas como pulo do coração ou mesmo parada cardíaca momentânea. Outro possível sintoma é um aperto na garganta. As extra-sístoles podem ser controladas depois que a causa raiz é identificada e o tratamento apropriado é prescrito.

Na medicina, as extrassístoles também são conhecidas como contrações ventriculares prematuras (PVCs) ou contrações atriais prematuras (PACs). São batimentos cardíacos anormais que ocorrem fora do ritmo normal. Eles são caracterizados por um ritmo cardíaco precoce ou prematuro originado nos ventrículos (PVCs) ou nos átrios (PACs) do coração.

Em um batimento cardíaco normal, os sinais elétricos percorrem o coração de maneira coordenada, começando no nódulo sinusal (o marcapasso natural do coração) no átrio direito. Isso faz com que as câmaras do coração se contraiam em um padrão sincronizado, bombeando o sangue com eficiência.

Extrassístoles - as causas são anormalidades nos sinais elétricos, estresse, desequilíbrio eletrolítico, doença cardíaca e outros.

No entanto, no caso de extrassístoles, um sinal elétrico pode surgir prematuramente de uma área diferente do coração, causando uma contração adicional que interrompe o ritmo regular. Essas contrações prematuras podem parecer uma batida perdida ou extra e podem ser acompanhadas por outras sensações, como vibração ou latejamento no peito.

As extra-sístoles podem ser causadas por uma variedade de fatores, incluindo: estresse, ansiedade, consumo de cafeína ou nicotina, certos medicamentos, desequilíbrio eletrolítico, doença cardíaca e anormalidades estruturais do coração. 

Em muitos casos, as extrassístoles são inofensivas e não requerem tratamento específico. No entanto, se forem frequentes, persistentes ou associados a outros sintomas, pode ser necessária uma avaliação médica para identificar e tratar quaisquer condições subjacentes.

As extra-sístoles são sempre alarmantes, mas muitas vezes não são perigosas ou ameaçam a vida. No entanto, se sentir sintomas graves, como dor no peito, tontura ou desmaio, ou se tiver um problema cardíaco conhecido, é recomendável procurar atendimento médico imediatamente. O médico realizará testes de diagnóstico, como um eletrocardiograma (ECG) para avaliar a natureza e a gravidade das extrassístoles e recomendar estratégias de tratamento adequadas.

Tratamento de extra-sístoles - dieta e drogas

As opções de tratamento para extrassístoles dependem de vários fatores, incluindo a frequência e gravidade das contrações prematuras, a presença de doença cardíaca subjacente e o impacto dos sintomas na qualidade de vida do indivíduo. Aqui estão algumas abordagens gerais para o gerenciamento de extrassístoles:

Mudancas de estilo de vida: Em alguns casos, mudanças no estilo de vida podem ajudar a reduzir a frequência e a gravidade das extrassístoles. Isso pode incluir evitar gatilhos como cafeína, nicotina e álcool, controlar o estresse por meio de técnicas de relaxamento ou aconselhamento e garantir sono adequado e exercícios regulares.

Medicamentos para extra-sístoles: Medicamentos antiarrítmicos podem ser prescritos para suprimir ou regular a atividade elétrica do coração e reduzir a ocorrência de extrassístoles. A escolha do medicamento depende do tipo de arritmia e de qualquer doença cardíaca subjacente.

Medicamentos como bloqueadores beta, bloqueadores dos canais de cálcio ou medicamentos antiarrítmicos, como flecainida ou amiodarona. É importante notar que essas drogas carregam efeitos colaterais potenciais. Eles devem ser prescritos e monitorados por um profissional médico.

Ablação e marcapassos como tratamentos possíveis

Ablação por cateter: Nos casos em que as extrassístoles são frequentes, persistentes ou afetam significativamente a qualidade de vida, a ablação por cateter pode ser considerada. Este procedimento envolve a inserção de um tubo fino e flexível (cateter) no coração para identificar e destruir seletivamente o tecido anormal responsável por gerar contrações prematuras.

Dispositivos implantáveis: Em casos raros em que extrassístoles são graves e representam alto risco para o paciente, um cardioversor-desfibrilador implantável (CDI) pode ser recomendado. O CDI monitora continuamente o ritmo cardíaco e aplica um choque elétrico para restaurar o ritmo normal. Isso acontece se ocorrer uma arritmia com risco de vida, como taquicardia ventricular ou fibrilação ventricular.

Tratamento de condições subjacentes: Se as extrassístoles forem causadas por uma doença cardíaca subjacente ou outros problemas médicos (hashimoto, síndrome metabólica, aterosclerose, diabetes, etc.), a causa subjacente deve ser tratada. Isso pode incluir o tratamento de condições como doença arterial coronariana, insuficiência cardíaca ou desequilíbrios eletrolíticos.

A abordagem do tratamento das extrassístoles é individual. Em caso de episódios repetidos, é recomendável consultar um profissional de saúde ou cardiologista. Ele avaliará sua condição, fará um diagnóstico preciso e recomendará o tratamento mais adequado para você.

As extrassístoles estão relacionadas ao hipotireoidismo ou à doença de Hashimoto?

Extrassístoles podem estar associadas tanto com hipotireoidismo quanto com tireoidite de Hashimoto. A segunda é uma condição autoimune que resulta em uma glândula tireoide hipoativa. Os hormônios da tireoide desempenham um papel crítico na regulação do metabolismo do corpo, incluindo a função cardíaca.

Em casos de hipotireoidismo, a glândula tireoide não produz hormônios suficientes. Várias anormalidades cardíacas podem ocorrer, incluindo arritmias, como extrassístoles. O mecanismo exato pelo qual o hipotireoidismo leva a arritmias não é totalmente compreendido. Acredita-se que envolva alterações no sistema de condução elétrica do coração e aumento da sensibilidade às catecolaminas circulantes (hormônios envolvidos na resposta ao estresse).

A glândula tireoide regula os batimentos cardíacos

A tireoidite de Hashimoto, uma doença autoimune na qual o sistema imunológico do corpo ataca a glândula tireoide, pode causar hipotireoidismo. Isso significa que as pessoas com Hashimoto também podem apresentar extrassístoles como resultado do desequilíbrio do hormônio tireoidiano associado.

Se houver suspeita de extra-sístoles relacionadas à disfunção da tireoide, exames podem ser feitos para avaliar a função da tireoide. Os níveis de hormônio estimulante da tireoide (TSH) e de hormônio tireoidiano (T3 e T4) são testados rotineiramente. Anticorpos contra hormônios da tireoide também podem ser testados. Se um distúrbio da tireoide for diagnosticado, o tratamento apropriado, como terapia de reposição hormonal com levotiroxina, é considerado. Isso pode ajudar a normalizar o funcionamento da glândula tireoide, aliviando assim as arritmias cardíacas associadas a ela.

Embora haja uma ligação entre extrassístoles e disfunção da tireoide, nem todos com hipotireoidismo ou Hashimoto desenvolverão sintomas de arritmia ou outros problemas cardiovasculares. A resposta de cada indivíduo à disfunção da tireoide pode variar. Fatores como a gravidade da condição, a saúde cardiovascular geral e outras características individuais desempenham um papel.

Síndrome metabólica e extrassístoles - existe uma conexão?

A síndrome metabólica é um grupo de condições que ocorrem juntas, incluindo obesidade abdominal (barriga), pressão alta, níveis elevados de açúcar no sangue. Além disso, há também triglicerídeos elevados e baixos níveis de colesterol de lipoproteína de alta densidade (HDL – bom). Essa síndrome está associada a um risco aumentado de doença cardiovascular, incluindo ataques cardíacos, derrames e outras complicações relacionadas ao coração.

Embora não haja uma relação direta de causa e efeito entre síndrome metabólica e extrassístoles, alguns estudos mostraram uma associação entre os dois. A síndrome metabólica pode levar a várias alterações no sistema cardiovascular. Estes são disfunção endotelial, inflamação e alterações na função do sistema nervoso autônomo. Tudo isso pode afetar o sistema de condução elétrica do coração e potencialmente contribuir para arritmias, incluindo extrassístoles.

Além disso, componentes individuais da síndrome metabólica, como hipertensão (pressão alta) ou resistência à insulina (que pode levar a níveis elevados de açúcar no sangue), estão associados independentemente a um risco aumentado de arritmias, incluindo extrassístoles.

A obesidade e um estilo de vida sedentário também afetam negativamente o coração

como emagrecer definitivamente

Vale ressaltar que a relação entre síndrome metabólica e extrassístoles é complexa e multifatorial. Obesidade, sedentarismo, apneia do sono e outras comorbidades são comuns em indivíduos com síndrome metabólica. Eles também podem contribuir para o desenvolvimento de arritmias.

O manejo da síndrome metabólica envolve abordar seus componentes individuais por meio de mudanças no estilo de vida e, em alguns casos, medicamentos. Essas intervenções podem incluir uma dieta saudável, envolvimento em atividade física regular, perda de peso. É importante controlar a pressão arterial, os níveis de açúcar no sangue e os níveis elevados de gordura no sangue. Ao gerenciar eficazmente a síndrome metabólica, as pessoas podem reduzir o risco de desenvolver arritmias e complicações relacionadas.

Se você tem síndrome metabólica e apresenta sintomas como extrassístoles ou outras arritmias cardíacas, é recomendável consultar um profissional de saúde ou cardiologista. Eles podem avaliar sua situação específica, realizar testes apropriados e recomendar as estratégias de tratamento mais adequadas.

Extra-sístoles ventriculares monomórficas - qual a sua classificação?

Extra-sístoles ventriculares também são conhecidas como contrações ventriculares prematuras (PVCs). Eles podem ser classificados com base em várias características. Aqui estão algumas classificações gerais de extrassístoles ventriculares.

Frequência

As contrações ventriculares prematuras isoladas são contrações ventriculares prematuras únicas que ocorrem esporadicamente, com ritmo sinusal normal entre elas.

As contrações ventriculares prematuras comuns são múltiplas após a outra ou ocorrem em alta frequência. O limite específico para definir PVCs frequentes pode variar. Geralmente é considerado quando ocorrem mais de 5 PVCs por minuto ou mais de 30 PVCs por hora.

Duas contrações ventriculares prematuras consecutivas podem ser observadas em sucessão próxima. Existem também sequências de três ou mais dessas contrações consecutivas.

Morfologia

PVCs monomórficos: Esses PVCs têm formato e aparência consistentes em sua forma de onda de eletrocardiograma (ECG).

PVCs polimórficos: Esses PVCs têm formas e aparências diferentes em sua forma de onda de ECG. PVCs polimórficos podem ser um sinal de doença cardíaca subjacente mais significativa e podem exigir uma avaliação mais aprofundada.

Origem e localização das contrações ventriculares prematuras

PVCs do ventrículo direito (RV): Esses PVCs se originam no ventrículo direito do coração.

PVCs do ventrículo esquerdo (LV): Esses PVCs surgem do ventrículo esquerdo do coração.

PVCs fasciculares: Esses PVCs se originam em regiões específicas chamadas fascículos, que são fibras musculares especializadas nos ventrículos.

Significado clínico

PVCs sintomáticos: Esses PVCs causam sintomas perceptíveis, como palpitações, desconforto no peito ou falta de ar.

PVCs assintomáticos: esses PVCs não causam sintomas perceptíveis e muitas vezes são descobertos acidentalmente durante exames médicos de rotina ou monitoramento de eletrocardiograma.

A classificação das extrassístoles ventriculares é usada para ajudar a caracterizar e entender a natureza da arritmia. A classificação e o manejo apropriados das extrassístoles ventriculares devem ser determinados por um profissional médico ou cardiologista. Ele pode avaliar a situação específica, realizar testes de diagnóstico (monitoramento de ECG ou Holter). Ele fornecerá um diagnóstico preciso e um plano de tratamento com base em suas descobertas.

Autora Ina Dimitrova

Postagens relacionadas
- Anúncio -

POPULAR

NOVO

- Anúncio -
pt_PTPT