Quinta-feira, 18 de julho de 2024
- Anúncio -
começandoOláO que são citocinas e por que são importantes para o sistema imunológico

O que são citocinas e por que são importantes para o sistema imunológico

As citocinas são um grupo de pequenas proteínas que desempenham um papel crucial na sinalização celular. Eles são produzidos por várias células do sistema imunológico, como os glóbulos brancos, e estão envolvidos na regulação das respostas imunes e na mediação da comunicação entre as células.

A função primária das citocinas é modular e coordenar as respostas imunes. Eles atuam como mensageiros entre as células, facilitando a comunicação e desencadeando ações específicas. As citocinas podem ser classificadas em diferentes tipos com base em sua função, incluindo interleucinas, interferons, fatores de necrose tumoral e quimiocinas, entre outros.

As citocinas estão envolvidas em vários aspectos da função do sistema imunológico

Inflamação: As citocinas são responsáveis por iniciar e regular a resposta inflamatória. Eles podem estimular a inflamação recrutando células imunes para o local da infecção ou lesão e ativando-as para eliminar patógenos ou células danificadas.

Ativação de células imunes: As citocinas estimulam as células imunes, como células T, células B e células natural killer (NK), a se diferenciar, proliferar e desempenhar suas funções específicas. Eles ajudam a aumentar a resposta imune contra patógenos.

Diferenciação celular: As citocinas regulam a diferenciação de células-tronco em tipos específicos de células imunes. Por exemplo, a interleucina-4 (IL-4) promove a diferenciação de células T virgens em células T auxiliares.

Proteção antivírus: Os interferons são um tipo de citocinas que desempenham um papel vital no mecanismo de defesa antiviral. Eles podem inibir a replicação viral nas células infectadas e ativar outras células imunes para eliminar a infecção.

Cicatrização de Feridas: As citocinas contribuem para o processo cicatricial ao promover a migração e proliferação de células envolvidas no reparo tecidual, como os fibroblastos.

Regulação das respostas imunes: As citocinas ajudam a manter o equilíbrio do sistema imunológico, regulando a intensidade e a duração das respostas imunes. Eles podem estimular ou suprimir a atividade das células imunológicas com base nas necessidades específicas do corpo.

Em geral, as citocinas desempenham um papel importante na coordenação e modulação das respostas imunes, proporcionando defesa eficaz contra patógenos, mantendo a homeostase do sistema imunológico. O desequilíbrio na produção ou desregulação de citocinas pode levar a distúrbios imunológicos e doenças inflamatórias.

Doenças nas quais o nível de citocinas é acentuadamente aumentado

Existem várias doenças e condições nas quais os níveis de citocinas podem ser significativamente elevados. Alguns exemplos incluem:

Síndrome de liberação de citocinas (SRC): A SRC é uma resposta imune grave que pode ocorrer como efeito colateral de algumas imunoterapias, como a terapia com células CAR-T. É caracterizada pela liberação rápida e excessiva de citocinas, principalmente interleucina-6 (IL-6) e fator de necrose tumoral-alfa (TNF-alfa). Níveis elevados de citocinas na SRC podem levar a inflamação sistêmica, disfunção de órgãos e, em casos graves, podem ser fatais.

Sepse: A sepse é uma condição potencialmente fatal que ocorre quando a resposta do corpo à infecção torna-se desregulada. Na sepse, as citocinas são liberadas em grande quantidade, causando uma resposta inflamatória sistêmica. Essa liberação excessiva de citocinas pode levar à falência de múltiplos órgãos e outras complicações.

Doenças autoimunes e citocinas

Artrite reumatoide (AR): A AR é uma doença autoimune caracterizada por inflamação crônica das articulações. Na artrite reumatóide, as citocinas pró-inflamatórias, como o fator de necrose tumoral-alfa (TNF-alfa), a interleucina-1 (IL-1) e a interleucina-6 (IL-6) são produzidas em quantidades excessivas. Essas citocinas contribuem para a inflamação das articulações, destruição da cartilagem e osso e outros sintomas associados à doença.

Doença inflamatória intestinal (DII): A DII abrange condições como a doença de Crohn e a colite ulcerativa, que envolvem inflamação crônica do trato gastrointestinal. Níveis elevados de citocinas, incluindo TNF-alfa, interleucina-6 (IL-6) e interleucina-17 (IL-17), desempenham um papel significativo na inflamação observada na DII.

Síndrome da tempestade de citocinas

A síndrome da tempestade de citocinas refere-se a uma resposta imune grave e descontrolada que pode ocorrer em resposta a vários gatilhos, como infecções virais (por exemplo, COVID-19), certos tipos de câncer e doenças autoimunes. Durante uma tempestade de citocinas, há uma liberação maciça de citocinas pró-inflamatórias, incluindo interleucina-6 (IL-6), interleucina-1 beta (IL-1β) e interleucina-18 (IL-18). Essa liberação excessiva de citocinas pode levar a danos generalizados nos tecidos e falência de órgãos.

Estes são apenas alguns exemplos de doenças em que as citocinas podem estar dramaticamente elevadas. É importante observar que as citocinas específicas envolvidas e seus níveis podem variar dependendo da doença ou condição. Níveis elevados de citocinas podem contribuir para a patologia dessas doenças e são frequentemente alvo de intervenções terapêuticas para modular a resposta imune.

pesquisas de laboratório

As citocinas podem ser testadas em laboratório?

As citocinas podem ser testadas em um ambiente de laboratório. Várias técnicas e ensaios estão disponíveis para medir os níveis de citocinas em amostras biológicas, como sangue, soro, plasma ou sobrenadantes de cultura de tecidos. Esses testes geralmente são realizados usando imunoensaios que dependem de anticorpos específicos que podem detectar e quantificar citocinas.

Existem diferentes métodos para estudar citocinas:

Ensaio de imunoabsorção enzimática (ELISA): O ELISA é uma técnica amplamente utilizada que utiliza anticorpos específicos para capturar e detectar citocinas. Permite a medição quantitativa dos níveis de citocinas em uma amostra.

Ensaios multiplex: Os ensaios multiplex permitem a medição simultânea de múltiplas citocinas em uma única amostra. Esses ensaios usam matrizes ou microarrays baseados em esferas, permitindo a avaliação de múltiplas citocinas de maneira de alto rendimento.

Citometria de fluxo: A citometria de fluxo pode ser usada para avaliar a produção de citocinas no nível de célula única. Esta técnica envolve a coloração de células com anticorpos marcados com fluorescência contra citocinas específicas, permitindo a sua detecção e quantificação.

Métodos baseados em PCR: Técnicas de reação em cadeia da polimerase (PCR), como PCR de transcrição reversa (RT-PCR) ou PCR quantitativo (qPCR), podem ser usadas para medir os níveis de expressão gênica de citocinas. Isso fornece informações sobre os níveis de mRNA de citocinas, o que pode ser indicativo de sua produção.

Que informações a pesquisa fornece?

O teste de citocinas em laboratório pode fornecer informações valiosas sobre a resposta imune e a presença de inflamação ou desregulação em várias doenças e condições. Pode ajudar a diagnosticar certos distúrbios imunológicos, monitorar a progressão da doença. Também para avaliar a eficácia do tratamento e identificar potenciais alvos terapêuticos. Por exemplo, medir os níveis de citocinas em pacientes submetidos a imunoterapia ou com doenças autoimunes pode ajudar a informar as decisões de tratamento.

O teste de citocinas geralmente é realizado em um laboratório clínico ou de pesquisa e requer equipamentos e conhecimentos especializados. A interpretação dos níveis de citocinas deve ser feita em conjunto com outras informações clínicas e no contexto da doença ou condição particular que está sendo investigada.

Editora Diana Todorova

Fotos: freepik

Postagens relacionadas
- Anúncio -

POPULAR

NOVO

- Anúncio -
pt_PTPT